Aviso super rápido

20 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Calma que está todo mundo vivo aqui, só passei para avisar que o blog está parado – e assim continuará – esses dias porque meu computador resolveu ter um siricutico e não iniciar. Desconfio que seja um vírus.

Assim que resolver essa questão, o blog volta ao normal. Enquanto isso, você pode falar comigo ou acompanhar minhas aventuras no Facebook, na fan page, Instagram e no Twitter. Tem o esmalte da semana lá, ok?

Logo eu volto!

Update – Leituras da semana

16 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Hoje trouxe três dicas de livros mais leves, especialmente para quem não está muito interessado na Copa e prefere trocar a TV por uma boa leitura. Vejam só:

01 - Ele Está de Volta, Timur Vermes, Editora Intrinseca

- Ele Está de Volta, Timur Vermes, Editora Intrinseca:  reconheceu a figura da capa, né? Então imagine uma Berlim em 2011, com Adolf Hitler vivo e acordando em um terreno baldio. Como ele irá ver sua cidade e país, agora que não tem mais guerra, nem Eva Braun, nem seu partido nazista? Como lidar agora com o fato de que a Alemanha é chefiada por uma mulher?

Enquanto ele tenta provar quem é, a população acredita que ele não passa de um imitador com grande talento. Até que o discurso do ditador torna-se um viral e com audiência absurda no YouTube, fazendo com que Hitler ganhe um programa de TV e enorme audiência. Mas ainda precisa mostrar que ele está vivo.

02 - Man Repeller, Leandra Medine, Editora Novo Conceito

- Man Repeller, Leandra Medine, Editora Novo Conceito: para quem não associou o nome à pessoa, Leandra Medine é uma das blogueiras mais badaladas do mundinho fashion. Talvez seja por sua personalidade totalmente franca, que até cria problemas, mas o fato é que ela resolveu compartilhar sua história nessas páginas.

Com prefácio de Vic Ceridono, do blog Dia De Beauté, o livro traz detalhes da vida de Medine, como a perda de sua virgindade, além de passagens focadas em moda, porém sempre com algo pessoal. Misture a isso pitadas de acidez, amor e humor também, afinal nada precisa ser tão sério.

03 - Pequena Cozinha em Paris, Rachel Khoo, Editora Intrinseca

- A Pequena Cozinha em Paris, Rachel Khoo, Editora Intrinseca:  não sei vocês, mas desde que me propus a mostrar minhas tentativas na cozinha, tudo o que envolve preparo de pratos passou a chamar a minha atenção. E com esse livro não foi diferente. Nunca me arrisquei na culinária francesa mesmo, mas essa obra já fez meus olhinhos brilharem.

Aqui, a autora, fascinada pela culinária da Cidade Luz, resolveu se mudar para um apartamento local e testar a gastronomia parisiense. Para isso, ela se forma na Le Cordon Bleu, a mais consagrada escola de culinária da região e passou a criar a sua versão dos famosos pratos tradicionais. O legal desse livro é que traz 100 receitas, curiosidades sobre o preparo e detalhes da cidade mesmo, quebrando um pouco os mitos escondidos na gastronomia de Paris.

Agora é correr para a livraria!

Observação: imagens de divulgação.

Esmalte da semana – Congo, Panvel e Black Tie, Jade

15 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Domingo é o dia universal de fazer as unhas, né? Hoje escolhi um esmalte que estava aqui na caixa há mais de um ano e se eu soubesse que ia gostar tanto, já o teria feito furar a fila, sem dó!

Calma que já o mostro. Antes preciso falar que o combo Royal Blue, da Top Beauty e Compartilha!, da Colorama, funcionou muito bem! Tudo bem que usei um bom top coat e optei por vestir luvas ao lavar a louça, mas ainda assim só comecei a ver leves desgastes lá para quarta-feira, acreditam?

Ainda dava para eu ficar com ele por mais alguns dias, só o tirei na sexta porque já estava cansada de tanto azul em minhas mãos. Hahahaha Mas ao menos o da Top Beauty, que é meu, vou usar muitas outras vezes! E se vocês encontrarem esse esmalte em suas cidades, vale muito a pena comprar!

Então era a hora de trocar. Tinha como ideia inicial passar um roxo, mas na primeira camada vi que ele ia me dar muito trabalho, então desisti. E olhando a caixa, me lembrei de um outro vidrinho que comprei para meu aniversário do ano passado, porém fui deixando e ele ficou aqui parado. Nada mais justo usar, né?

O eleito de hoje foi o incrível Congo, da Panvel:

01 - Esmalte

Pelo vidro já dá para se animar, né? Até escrevi sobre ele AQUI, lembram? E  o bonito aí já está quase vencendo, que absurdo não usar… Ele é um cinza grafite com shimmer colorido bem discreto, muito lindo mesmo. Para ser ainda mais diferente, o Congo tem acabamento fosco! Há tempos não passava nada que desse esse efeito e estava com saudades.

Mas não queria deixar tudo muito simples e tentei a filha única outra vez, dessa vez com o Black Tie, da Jade, que mostrei nesse post:

02 - Esmalte

O Congo foi muito fácil de passar. Até achei que ele estaria meio grosso por ficar parado, mas nada. Com uma camada ele ainda fica meio manchado, mas na segunda fica escuro e lindão:

03 - Esmalte

O efeito fosco começa a dar as caras depois de uns 10, 15 segundos. E aí fica assim, chapado. Também gostei muito dele na hora de limpar, não dá trabalho algum! Já o coloquei em minha lista de esmaltes favoritos. Panvel, se vocês abrissem uma loja em SP ou o frete fosse mais amigo, teriam uma cliente assídua. Pensem nisso, por favor?

A ideia era passar o Black Tie “puro” na unha, mas na primeira camada vi que seriam necessárias ao menos três. Então recomecei, passei uma camada do Congo e aí sim, o preto da Jade apareceu bem bonito:

04 - Esmalte

Para quem tem saudades do saudoso Cosmic Polish, da Eyeko (que usei AQUI), dá para substituir por esse, viu? Talvez o gringo tivesse só um pouco mais de glitter verde, mas não achei tão diferente. O bom é que os esmaltes da Jade são mais baratos e fáceis de encontrar, né? Ah, também foi bom para limpar e tem brilho, porém cobri com o top coat da Risqué, ok?

Quem está próximo à uma unidade da Panvel, vale a pena procurar pelo Congo (e outros da marca, são ótimos) ou simule a compra AQUI e veja se no seu caso o frete não fica tão caro como aqui. Confiem em mim, se vocês se jogarem nos esmaltes deles, não se arrependerão!

Gordice de finde – Petiscos de pão de forma

13 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Agora que acabou a euforia com o primeiro jogo da Copa, vamos fechar a semana de forma bem gorda. E rápida. E prática. E fácil. Essa semana resolvi “desenterrar” mais uma receita dos cadernos da minha mãe e fazer um petisco para comermos enquanto passava o jogo. E dá para todos fazermos, já que o nível de dificuldade é zero.

Olha o “monte” de coisas que você irá precisar:

  • Pão de forma (eu usei quase metade do pacote);
  • Maionese;
  • Ketchup (ou molho de tomate, se preferir, desde que ele fique mais pastoso e menos líquido);
  • Orégano (ou manjericão, se preferir).

Se você não gostar de maionese, não puder comer ou tiver alguma restrição, também pode trocar por requeijão cremoso, cream cheese, ricota… Veja que são produtos com textura mais cremosa, entende? Nada totalmente líquido. O resultado é esse:

01 - Gordice

Nessa foto de cima, já está tudo pronto. Abaixo, antes de ir ao forno (para que foco, né? Hahahahaha):

02 - Gordice

Vamos ao preparo “super complicado”. Eu usei o pão com a casca mesmo, mas nada te impede usar sem, tirar, trocar por aqueles com grãos… O que acho importante é que seja um que não quebre ou esfarele, senão vai desmanchar, ok? E cuidado com esses de fibras e afins, para não ficar muito seco.

Cortei as fatias ao meio e depois em pedaços menores, de forma aleatória mesmo. Do tamanho que fiz, usando quase metade da embalagem maior de pão de forma, deram 50 petiscos, então isso vai variar conforme seus “olhos”, ok?

Aí coloquei maionese por cima. Usei mais ou menos meia colher de café, mas novamente, vai variar conforme o freguês. Fiz o mesmo com o ketchup e por fim, salpiquei orégano.

Coloquei todos na assadeira e levei ao forno, sem pré-aquecer, untar ou qualquer coisa do tipo. Como eu sou a louca do fogo/ forno baixo, prefiro sempre fazer dessa forma para ter mais controle. Acho que os meus levaram uns 15 minutos para ficar pronto, a questão é ver que o pão fica durinho como uma torrada, porém sem tostar.

Outra forma de perceber é quando a maionese fica mais firme e amareladinha, sabem? Porém, esse é um ponto que não confio muito, porque isso pode acontecer por fora e não por dentro.

Carla, posso substituir o pão pela torrada pronta? Pode, só acho que a receita ficará mais cara, renderá menos e é mais difícil de cortar. Mas dá também. Eu gosto de servir bem quentinho mesmo, logo que sai do forno.

Sei que pode parecer algo bobo, mas já repararam que são esses pratos que quebram um bom galho? Ainda mais quando não temos tempo para preparar algo mais complexo, né? Vocês têm receitas como essa, ainda mais de petiscos? Que tal compartilharmos?

Estreias da semana

12 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Eu sei que hoje está todo mundo em clima de Copa do Mundo ou de Dia dos Namorados, mas quem não quer acompanhar futebol e está solteiro (eu!), vale ler esse post e ficar de olho nos filmes que chegam hoje aos cinemas. Vejam só:

01 - Versos de um Crime

- Versos de Um Crime: para quem prefere um drama de época com grande elenco, preste atenção. Aqui temos Ben Foster, Craig Chester, Daniel Radcliffe, David Cross, Elizabeth Olsen, Jack Huston, Jennifer Jason Leigh, Michael C. Hall, entre outros nomes e uma história que se passa em 1944, quando um assassinato acaba reunindo grandes nomes da literatura, como Allen Ginsberg (Radcliffe), Jack Kerouac (Huston) e William Burroughs (Foster).

02 - A Face do Mal

- A Face do Mal: mas para os amantes dos filmes de terror, também há uma estreia hoje. Dois jovens decidem explorar um imóvel que acabaram de comprar, para saber mais sobre o local. Mas eles não fazem ideia que a casa esconde mistérios, que irão recepcioná-los.

03 - Amor Sem Fim

- Amor Sem Fim: saindo um pouco dos temas mais densos, chega às telonas também uma comédia romântica, que mostra o romance de dois jovens, que, se depender de suas famílias, não podem ficar juntos. Então o relacionamento começa a ficar desastroso, obsessivo e misterioso.

04 - O Fantástico Mundo de Juan Orol

- O Fantástico Mundo de Juan Orol: com Roberto Sosa, Gabriela De La Garza, Jesús Ochoa e grande elenco, o drama apresenta a história de Juan Orol, rei do cinema B mexicano. Ele foi o responsável por dirigir filmes na Era de Ouro mexicana, criando o gênero de gangster mexicano, que se tornou muito popular, além de conquistar grandes divas e ser nomeado como “surrealista involuntário”.

05 - O Médico Alemão

- O Médico Alemão: outro filme europeu que estreia hoje, dessa vez um suspense. A história se passa na Patagônia, em 1960. Lá, um médico alemão (vivido por Àlex Brendemühl), se aproxima de uma família argentina e os acompanha por uma estrada para Bariloche, onde Eva, Enzo e seus três filhos deverão abrir uma pousada. O exemplo familiar faz com que o médico reencontre sua necessidade pela pureza, especialmente ao ver Lilith, uma menina de 12 anos que aparenta ter menos idade. A família, que não conhece a real identidade do alemão, o acolhe em sua nova casa e se rende ao carisma que ele possui. Mas chega uma hora em que eles descobrem que o novo amigo é, na verdade, um dos maiores criminosos da história.

06 - Avanti Popolo

-Avanti Popolo: para encerrar o post de hoje, um drama nacional com nome italiano. Usando antigas imagens, gravadas em Super-8 por seu irmão na década de 70, André reconstrói a memória de seu pai que, há 30 anos, aguarda a volta de seu filho, desaparecido durante a ditadura militar brasileira.

Semana que vem tem mais!

Observação: imagens de divulgação.

Estou usando – Batom Longa Duração FPS 15 Natura Una

11 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Recentemente, a Natura lançou alguns produtos para a sua linha de “luxo”, a Una. Sempre quis testar e usar os itens, mas os achava caro e acabava deixando para lá (tive uma base antes de a coleção ser reformulada e um lápis, que ganhei há alguns anos). Porém, tenho uma vizinha que é revendedora da marca e ela me mostrou um dos últimos catálogos.

Aí olhei, pensei, repensei… E resolvi testar o Batom Longa Duração FPS 15. Esse aqui:

01 - Batom

Gostei dele ter protetor solar, embora um fator bastante baixo para mim. Afinal, não é porque estamos no inverno que devemos deixar de usar algo contra os raios solares nocivos, né? A embalagem, como todos os itens da linha, traz a cor preta com detalhes bem discretos e elegantes em dourado:

02 - Batom

Preciso dizer que costumo ter um pouco de problema com o catálogo da Natura. As cores dos batons e blushes são bem diferentes do que vemos “ao vivo”, o que já me prejudicou algumas vezes. Agora, tentei ir em algo que irei usar várias vezes, em um tom meio “neutro” (aí se não fosse o que esperava, não o deixaria encostado).

Por isso, pedi o batom na cor Rosa 62, que, na bala, parece mais um cor de boca rosado:

03 - Batom

Mas ao fazer swatch, o rosa fica mais evidente:

04 - Batom

Até agora, o usei somente uma vez, no domingo, então fico devendo mais informações sobre duração e afins. O que percebi é que, ao contrário do que é anunciado no catálogo, ele não fica totalmente matte nos lábios. De fato, o efeito é sem brilho, mas a textura se mostrou bastante confortável e o batom, fácil de passar e deslizar.

Claro, é diferente de um com efeito hidratante ou de gloss, mas não esperem aqueles super secos, sabem? Acho que, comparando com o do Boticário que tenho, o da Natura é menos seco. O formato stick, mais fininho, com o corte na diagonal, também é bom. E ao passar, o vi como um rosa quase cor de boca.

Se você procura um batom totalmente mate, em tom rosa frio ou pink… Não é esse. Para mim, está ótimo, mas já fica o aviso, né? Ele custa R$ 29,80 e tem outras 5 cores, entre vermelho, rosa e cor de boca. Vale a pena dar uma olhadinha!

Estou lendo – Bridget Jones – Louca Pelo Garoto

10 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Há tempos não posto aqui o livro que estou lendo, né? Confesso que nessa correria toda acabei deixando a leitura um pouco de lado, mas aos poucos retomo o hábito (ou vicio?). Ultimamente, ando pela casa em companhia de:

01 - Livro

Ainda não li os dois outros títulos que a autora, Helen Fielding, escreveu sobre a personagem (“O Diário de Bridget Jones” e “Bridget Jones – No Limite da Razão”), me atendo somente aos filmes. E os adoro, acho que todas as mulheres se sentem meio como a personagem, que tem a pressão da família por um casamento ideal, amigos malucos, um emprego em que não é valorizada e dilemas sentimentais. Quem nunca deu um show como na cena de “All By Myself” ou, no caso dos jornalistas, foi colocado em pautas absurdas?

Me parece que farão a adaptação deste título para o cinema e, antes de esperar a definição, resolvi comprar e ver como Bridget é mostrada no papel. Li muita gente revoltada pela forma em que Fielding mostra a protagonista, agora em outra fase da vida, porém eu estou gostando. É a mesma Bridget: atrapalhada, desbocada, insegura, reclamona, dramática… E adorável.

SPOILER – SE VOCÊ NÃO QUER SABER DA SINOPSE, PARE DE LER AGORA – Agora ela tem um novo diário, anos após o casamento com Mark Darcy, com dois filhos pequenos e viúva de seu grande amor. Jones vive uma nova crise, tentando voltar ao mercado de trabalho, cuidar da casa e dos pequenos, se redescobrindo como mulher (lutando para perder os quilos adquiridos na gravidez, se manter longe do cigarro e sem se jogar no vinho de uma vez por todas) e tentando lidar com a tecnologia.

Seus amigos continuam por perto e, assim como sua família, acham que Bridget precisa começar a sair mais, conhecer gente… E acontece quando ela encontra um rapaz de jaqueta de couro em um bar. Estou bem nessa fase, então não posso adiantar como a nossa “heroína” irá lidar com a questão.

O que acho legal é a forma que Fielding constrói a leitura. Além de parecer um diário mesmo, com os horários das atividades, o texto é escrito de forma bem despretensiosa, com gírias, dúvidas, palavrões no meio… Assim como fazíamos nos nossos. Bridget se contradiz, muda de assunto, se distrai, promete algo e dali a cinco minutos muda de ideia… O que a traz mais para perto de nós e a deixa humana e passível de erros e acertos.

Não sei como a história irá se desenvolver e pode ser que não goste de como ela será conduzida, mas até agora achei bem interessante. E fiquei curiosa em saber como são os outros dois livros da série (claro que vou acabar comprando). De qualquer forma, acredito que seja uma dica válida para aqueles momentos em que você quer ler algo mais leve e se identificar com a protagonista, sem querer ser politicamente correta.

Você pode encontrar “Bridget Jones – Louca Pelo Garoto” em qualquer livraria física e virtual, como AQUI, AQUI, AQUI, AQUI e AQUI. E boa leitura!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 210 outros seguidores