Arquivo | Comportamento RSS feed for this section

Aviso super rápido

20 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Calma que está todo mundo vivo aqui, só passei para avisar que o blog está parado – e assim continuará – esses dias porque meu computador resolveu ter um siricutico e não iniciar. Desconfio que seja um vírus.

Assim que resolver essa questão, o blog volta ao normal. Enquanto isso, você pode falar comigo ou acompanhar minhas aventuras no Facebook, na fan page, Instagram e no Twitter. Tem o esmalte da semana lá, ok?

Logo eu volto!

Gordice de finde – Petiscos de pão de forma

13 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Agora que acabou a euforia com o primeiro jogo da Copa, vamos fechar a semana de forma bem gorda. E rápida. E prática. E fácil. Essa semana resolvi “desenterrar” mais uma receita dos cadernos da minha mãe e fazer um petisco para comermos enquanto passava o jogo. E dá para todos fazermos, já que o nível de dificuldade é zero.

Olha o “monte” de coisas que você irá precisar:

  • Pão de forma (eu usei quase metade do pacote);
  • Maionese;
  • Ketchup (ou molho de tomate, se preferir, desde que ele fique mais pastoso e menos líquido);
  • Orégano (ou manjericão, se preferir).

Se você não gostar de maionese, não puder comer ou tiver alguma restrição, também pode trocar por requeijão cremoso, cream cheese, ricota… Veja que são produtos com textura mais cremosa, entende? Nada totalmente líquido. O resultado é esse:

01 - Gordice

Nessa foto de cima, já está tudo pronto. Abaixo, antes de ir ao forno (para que foco, né? Hahahahaha):

02 - Gordice

Vamos ao preparo “super complicado”. Eu usei o pão com a casca mesmo, mas nada te impede usar sem, tirar, trocar por aqueles com grãos… O que acho importante é que seja um que não quebre ou esfarele, senão vai desmanchar, ok? E cuidado com esses de fibras e afins, para não ficar muito seco.

Cortei as fatias ao meio e depois em pedaços menores, de forma aleatória mesmo. Do tamanho que fiz, usando quase metade da embalagem maior de pão de forma, deram 50 petiscos, então isso vai variar conforme seus “olhos”, ok?

Aí coloquei maionese por cima. Usei mais ou menos meia colher de café, mas novamente, vai variar conforme o freguês. Fiz o mesmo com o ketchup e por fim, salpiquei orégano.

Coloquei todos na assadeira e levei ao forno, sem pré-aquecer, untar ou qualquer coisa do tipo. Como eu sou a louca do fogo/ forno baixo, prefiro sempre fazer dessa forma para ter mais controle. Acho que os meus levaram uns 15 minutos para ficar pronto, a questão é ver que o pão fica durinho como uma torrada, porém sem tostar.

Outra forma de perceber é quando a maionese fica mais firme e amareladinha, sabem? Porém, esse é um ponto que não confio muito, porque isso pode acontecer por fora e não por dentro.

Carla, posso substituir o pão pela torrada pronta? Pode, só acho que a receita ficará mais cara, renderá menos e é mais difícil de cortar. Mas dá também. Eu gosto de servir bem quentinho mesmo, logo que sai do forno.

Sei que pode parecer algo bobo, mas já repararam que são esses pratos que quebram um bom galho? Ainda mais quando não temos tempo para preparar algo mais complexo, né? Vocês têm receitas como essa, ainda mais de petiscos? Que tal compartilharmos?

Estou lendo – Bridget Jones – Louca Pelo Garoto

10 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Há tempos não posto aqui o livro que estou lendo, né? Confesso que nessa correria toda acabei deixando a leitura um pouco de lado, mas aos poucos retomo o hábito (ou vicio?). Ultimamente, ando pela casa em companhia de:

01 - Livro

Ainda não li os dois outros títulos que a autora, Helen Fielding, escreveu sobre a personagem (“O Diário de Bridget Jones” e “Bridget Jones – No Limite da Razão”), me atendo somente aos filmes. E os adoro, acho que todas as mulheres se sentem meio como a personagem, que tem a pressão da família por um casamento ideal, amigos malucos, um emprego em que não é valorizada e dilemas sentimentais. Quem nunca deu um show como na cena de “All By Myself” ou, no caso dos jornalistas, foi colocado em pautas absurdas?

Me parece que farão a adaptação deste título para o cinema e, antes de esperar a definição, resolvi comprar e ver como Bridget é mostrada no papel. Li muita gente revoltada pela forma em que Fielding mostra a protagonista, agora em outra fase da vida, porém eu estou gostando. É a mesma Bridget: atrapalhada, desbocada, insegura, reclamona, dramática… E adorável.

SPOILER – SE VOCÊ NÃO QUER SABER DA SINOPSE, PARE DE LER AGORA – Agora ela tem um novo diário, anos após o casamento com Mark Darcy, com dois filhos pequenos e viúva de seu grande amor. Jones vive uma nova crise, tentando voltar ao mercado de trabalho, cuidar da casa e dos pequenos, se redescobrindo como mulher (lutando para perder os quilos adquiridos na gravidez, se manter longe do cigarro e sem se jogar no vinho de uma vez por todas) e tentando lidar com a tecnologia.

Seus amigos continuam por perto e, assim como sua família, acham que Bridget precisa começar a sair mais, conhecer gente… E acontece quando ela encontra um rapaz de jaqueta de couro em um bar. Estou bem nessa fase, então não posso adiantar como a nossa “heroína” irá lidar com a questão.

O que acho legal é a forma que Fielding constrói a leitura. Além de parecer um diário mesmo, com os horários das atividades, o texto é escrito de forma bem despretensiosa, com gírias, dúvidas, palavrões no meio… Assim como fazíamos nos nossos. Bridget se contradiz, muda de assunto, se distrai, promete algo e dali a cinco minutos muda de ideia… O que a traz mais para perto de nós e a deixa humana e passível de erros e acertos.

Não sei como a história irá se desenvolver e pode ser que não goste de como ela será conduzida, mas até agora achei bem interessante. E fiquei curiosa em saber como são os outros dois livros da série (claro que vou acabar comprando). De qualquer forma, acredito que seja uma dica válida para aqueles momentos em que você quer ler algo mais leve e se identificar com a protagonista, sem querer ser politicamente correta.

Você pode encontrar “Bridget Jones – Louca Pelo Garoto” em qualquer livraria física e virtual, como AQUI, AQUI, AQUI, AQUI e AQUI. E boa leitura!

Update – Leituras da semana

9 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Hoje trouxe mais links, com opções em beleza, moda e música. Ou seja, ninguém pode reclamar, né? Vamos lá!

– Unha Bonita: depois do azul Frio Na Barriga e de um verde escuro cintilante, agora a atriz Giovanna Antonelli mostra o novo esmalte de sua personagem, Clara. Aí que a Dani, rápida e excelente em suas análises, já sabe qual será a cor e a testou rapidamente. Para saber, é só clicar AQUI;

– Claudinha Stoco: essa é para os atrasados do Dia dos Namorados. Quer comprar um presente para a sua amada e está sem ideia? Veja esse post com uma boa ideia para as amantes da maquiagem. A Claudinha fez uma análise com fotos bem caprichadas da paleta da Contém 1g, contando sobre pigmentação, qualidade, acabamento…

– Coisas De Diva: para quem quer aproveitar as compras internacionais antes do novo sistema da Receita Federal, ou está de viagem marcada para algum país do Oriente, vale muito a pena ver o post da Marina com boas sugestões de cosméticos asiáticos, especialmente na questão de cuidados com a pele;

– Coisas De Diva: a mesma Marina testou o kit para as sobrancelhas da Vult, que além de uma embalagem bem fofa, parece ser bom e funcional. Eu não me arrisco muito nessa área, mas se você é talentosa(o), clica AQUI para ler todas as informações;

– Julia Petit: saindo um pouco da parte beleza, vocês sabem que eu AMO Foo Fighters, né? E essa semana fiquei tão feliz em saber que já temos a data prevista para o sucessor de Wasting Light, de 2011! Yeeeey! Lá no site da ruiva elas falam sobre o lançamento com mais detalhes, som E depoimento do Dave Grohl. Corre!

– O Babado: Melisseiras de plantão, vejam isso! A Fernanda divulgou essa semana algumas imagens da nova coleção da Melissa, a Eat My Melissa, que inclusive já tem produto à venda. Eu JURO que ia me controlar, mas já tenho umas 3 na lista. Como lidar? Veja tudo !

Semana que vem eu volto!

Gordice de finde – Bolinho de Bolo

6 jun

Oi, gente! Tudo bem?

Chegamos a mais um final de semana, o que para mim significa dia de gordices! Hahahaha E a de hoje é para os fãs de doces, como eu. Vi a receita no programa da NaMaria Ana Maria Braga e como achei fácil e tranquila, reproduzi com minhas adaptações (também chamado “fiz com o que tinha”).

É algo bem prático, que rende pouquinho, mas dá para matar aquela vontade de doces. A sobremesa de hoje se chama Bolinho de Bolo e o original pode ser encontrado AQUI. Ói que gostoso:

01 - GordiceEu fiz assim:

Bolinho

  • 150g de bolo esfarelado (1 ½ xícara de chá) (usei aqueles prontos, de chocolate, dá quase metade da embalagem);
  • 2 gemas;
  • 1 colher (sopa) de creme de leite de caixinha (15 g);
  • 75g de açúcar (1/3 xícara de chá).
  • 250 ml de água (1 xícara de chá).

Calda

  • 1 colher (sopa) de margarina (15 g) (adivinhem? Usei a de tablete! hahahaha);
  • 6 colheres (sopa) de açúcar (90 g);
  • 4 colheres (sopa) de chocolate em pó (60 g) (aquele do padre, sabem?);
  • 30ml de licor de menta, mas pode ser de qualquer sabor;
  • 100ml de creme de leite de caixinha (é o restante da caixa usada no bolo);
  • 3 colheres (sopa) de doce de leite em cubos, picado (45 g) (aquele que sobrou da semana passada).

Modo de preparo

Bolinho

Misturei em uma tigela o bolo esfarelado, as gemas e a colher de creme de leite. Deixa tudo incorporar bem e reserve, fica uma massa bem úmida e parece que não renderá nada, mas vai dar certo.

Aí você coloca em uma panela o açúcar e a água e deixe no fogo médio até formar uma calda em ponto de fio. Antes de ligar o fogo, eu mexi, para evitar que o açúcar queimasse. O ponto é quando você levanta a colher e ao invés de caírem gotas bem líquidas, fica um fio, mais grosso. Quando você teve esse resultado, desligue o fogo e misture à massa. Vai ficar algo mais pastoso, porém precisa ficar uniforme.

Enquanto isso, unte com manteiga forminhas de fundo falso. Eu usei a de torta de maçã, número 7, mas é grande. Dá para fazer com a de pão de mel e até com a de empada. Dá para fazer na de fundo fixo, porém depois tem que desinformar, ok? Quando acabar, coloque uma porção da massa (a Ana Maria encheu as forminhas, nas minhas não daria, então coloquei metade). Leve ao forno alto, preaquecido a 200°C, por 10 minutos.

Se o seu forno for antigo, como o meu, é melhor colocar no baixo e ficar de olho. E fazer o teste do palito para saber quando assou, ok? Uma vez pronto, retire do forno, espere esfriar e desinforme.

Calda

Enquanto os bolinhos assavam, fui fazendo a calda. Em uma panela pequena (e se puder, uma antiaderente será bem vinda!), coloque a margarina, o açúcar e o chocolate. Leve tudo em fogo baixo e vá mexendo até que o açúcar umedeça, dando a impressão de uma farofinha. Aos poucos você acrescenta o licor (e tem que colocar mesmo, senão nem dará ponto) e muito importante: não deixe de mexer, porque nessa hora pode grudar tudo em 2 segundos. Vá colocando e mexendo, até que a calda fique homogênea.

Depois, desligue o fogo e acrescente primeiro o creme de leite, mexendo sempre para não talhar e por fim, o doce de leite (ou nozes, castanha, amendoim, amêndoa…). Continue misturando e sirva, ainda quente, por cima dos bolinhos. Decore como achar melhor e pronto!

Minhas observações: eu quase queimei a panela. hahahaha Por isso recomendo o cuidado na calda, eu não mexi muito bem no começo e ia grudar, mas consegui reverter. Se você não bebe, pode ficar tranquila, o álcool evapora e a calda fica somente com aquele fundinho de gosto de menta, no meu caso. Acho que a bebida é essencial para  textura, então não acho que trocar por essência, por exemplo, daria certo.

Como não tinha cacau, usei o chocolate em pó, então ficou um pouquinho (mas bem pouco), mais doce. A calda sobrou bastante, então separei em um potinho para colocar em uma taça com sorvete (#vaigordinha). O doce de leite não deixa a receita enjoativa, ok? Vale usar também.

Não acho que seja uma receita para servir a várias pessoas, já que rende bem pouco. Mas para aquela tarde e só em casa, vale a pena! Eles dizem que rende 6 porções, porém isso varia conforme o tamanho da sua forminha, ok?

Semana que vem acho que trarei algo salgado… O que acham?

Ganhei! – Kit de esmaltes Impala e colar Renner

27 maio

Oi, gente! Tudo bem?

Era uma vez uma pessoa que fez 31 anos em março, mas que, por causa da correria toda, não fez nada e deixou para lá. Até que no dia das mães a irmã dela resolveu levar o presente de aniversário e fez surpresa no meio de um restaurante. Hahahaha

Por mais doido que isso possa parecer, essa história é verdade. Fiz aniversário há 2 meses, porém com toda a questão da minha mãe e correria da época, resolvi não comemorar. E minha irmã, também fazendo trocentas coisas ao mesmo tempo, resolveu me presentear um pouco depois, justamente no dia em que comemorávamos o dia das mães. Coisas da minha família! Hahahah

Pois bem, vamos aos presentinhos que são bons, bonitos, acessíveis e muito úteis (será que gostei? Sim? Claro? Com certeza?):

01 - Presente

A começar com esmaltes! Gosto da ideia desses kits da Impala, que sempre tem alguma temática, seja por serem de coleções específicas ou por criarem conjuntos de cores bem bonitos. Esse, em específico, traz tonalidades diferentes de rosa, que é algo que gosto e uso bastante.

A embalagem contém 5 vidrinhos, sendo eles (da esquerda para a direita):

02 - Presente

– Classic;

– Rio Doce;

– Pink;

– Babados;

– Gatinha.

Todos eles são cremosos e de coleções antigas, então podem ser facilmente encontrados por aí, separadamente.

03 - Presente

Ainda não havia comprado um desses kits porque quase todos têm cores que já comprei ou usei. Nesse caso, mesmo tendo um vidrinho do Rio Doce e do Pink aqui em casa (e inclusive já mostrei nesse post e nesse outro, lá no começo do blog), fiquei feliz por serem esmaltes que uso mesmo. Vou ver como estão os meus e trocar, para ter algo com validade maior.

Além dos esmaltes, também ganhei esse colar lindo:

04 - Presente

Ele não é curto como uma gargantilha, porém não tão longo quanto um colar. Acho que fica mais ou menos na altura do decote, sabem? É uma bijuteria de prata escura, com detalhes de tachas nas pontes:

05 - Presente

Parece pesado, porém não é. E os pingentes também não ficam fazendo barulho. Acho que vai ficar lindo com uma blusa básica e naquelas produções em que a gente usa peças simples, mas quer dar um toque diferente, né?

Ambos foram comprados na Renner, porém não os encontrei no site. Como os ganhei, fico devendo o preço para vocês. Acho que vale dar uma passada na loja e ver casmão, sempre temos esses “achados” na seção de beleza e acessórios, não?

Update – Leituras da semana

26 maio

Oi, gente! Tudo bem com vocês?

Hoje separei links bem girly, para quem gosta de moda, beleza e cosméticos. Mas também há um para os amantes da fotografia. Vejam só:

– Coisas De Diva: começando por roupas. Nessa época do ano, temos muitos eventos, casamentos e festas que pedem trajes mais formais. Aí você vai lá, aluga ou compra aquele vestido incrível e no dia de usá-lo, faz um frio imenso. E você escolhe: bate os dentes de tanto tremer ou usa um casaco e acaba com a beleza do visual. Eu sempre tenho esse problema, por isso achei ótimo o post da Thais sobre casacos de festa. Clica AQUI para saber mais;

– 2 Beauty: gosto muito das resenhas da Marina por serem bem honestas e sem preconceitos. E também adoro os produtos da linha Intense, do Boticário. Então ver uma análise sobre o novo Trio de Blushes Brilho do Sol, que a marca trouxe, me deixou ainda mais empolgada para comprar (mas não posso! Não posso! Não posso!). Ói que lindo, gente! Está tudo nesse post;

– Petiscos: ainda no assunto cosméticos, queria compartilhar com vocês esse tutorial postado no site da ruiva. A gente vê tantos por aí cheio de detalhes, cores, produtos… E os mais simples sempre me encantam mais. Com vocês acontece o mesmo? Estou muito a fim de fazer esse olho com o que tenho em casa (sombra marrom tenho bastante, usaria o lápis azul da Milani ou o roxo do Boticário…). Enfim, é lindo, né?

– Unha Bonita: no comecinho da semana, dei mais informações sobre a coleção Copa das Cores, da Colorama, lembram? A Dani, rápida e talentosa como só ela, já postou algumas prévias das coberturas com efeito tie-dye que o fabricante lançou, além das cores que compõem a linha. Ainda não sei se gostei das coberturas, mas acho que o Corre Para o Abraço realmente me ganhou. Clica AQUI se você é curiosa como eu e quer saber mais;

– Delas: achei no IG essa semana um tutorial bem simples de como fazer contorno e iluminar pontos do rosto. Sem indicar nenhuma marca, eles mostram como diminuir o tamanho da testa, maxilar, queixo… E em pele morena, o que é mais raro ver. Dá para adaptarmos com o que temos em casa, se não tive um bronzer, usar um pó mais escuro… Está tudo AQUI;

– E aí, beleza?: para terminar, uma dica fora do mundo da maquiagem. Não tenho câmera profissional, nem semi, porém adoro fotografia e aprender mais sobre o tema. Tive aulas na faculdade e desde então tenho vontade de treinar e fazer uso dos recursos. E a Kah fez um post excelente sobre uso de lentes para quem já tem uma câmera DSRL. Quer aprender ou conhecer as diferentes lentes (e porque elas são assim)? Então é só clicar.

Semana que vem tem mais!

Gordice de finde – Torta Jaróla de maçã verde

23 maio

Oi, gente! Tudo bem?

Hoje a receita é daquelas de guardar no caderninho, sabe? É tradição na minha família, minha avó tem no dela, minha mãe também (e está identificada como “Torta de maçã da vovó”) e eu estou seriamente pensando em criar o meu, com essa sobremesa inclusa, claro.

Na verdade a receita original não é essa, eu mudei a massa por total motivo de… Pura preguiça! Hahahaha Mas também dá certo e se vocês quiserem, coloco a massa dela mesma (e que também é ótima). Depois que a torta ficou pronta, percebi que sem querer acabei fazendo um prato que ficou até meio que temático, pensando na Copa, né?

Pois bem, deixando o bla bla bla de lado, a gordice de hoje é a tradicional e famosa Torta de Maçã da família Jaróla. Dessa vez, a eleita foi a maçã verde. Ficou assim:

01 - Gordice

Por mais que eu não seja a mais “talentosa” no quesito decoração e trabalhos manuais, ficou bonita, hein? E esse verde parece que abre os nossos olhos, chama a atenção mesmo. Vamos à receita:

Massa:

– 250g de margarina (para variar, usei a de tablete. Dá 2 e meio);

– 1 colher (chá) de pó Royal (fermento em pó, aqui a gente define pelo nome);

– 3 xícaras (chá) de farinha de trigo;

– ½ xícara (chá) de leite.

Eu comecei misturando todos os ingredientes com uma colher e depois que o leite foi absorvido, passei para asmão mesmo. Se você derreter a margarina, pode ser que nem precise, senão tem que botar a mão, para fazer com que a margarina derreta e a massa dê liga. O ponto é quando ela está meio grudenta na sua mão, mas já toda junta, sem esfarelar ou se desfazer.

Aí preparei uma assadeira de fundo removível, untando com manteiga. No caderno da minha mãe não diz se precisa untar ou não, até porque vai uma quantidade razoável de margarina, mas eu peco pelo excesso e untei. Abri a massa na forma mesmo, com a mão, apertando para que ela chegasse a todos os pontos.

Vale lembrar que essa massa rende, então dá para levar para as bordas e deixar mais altinha, para ter a lateral da torta. Dá para usar essa massa em receitas salgadas também, inclusive com aquelas que ela cobre o recheio, sabe? Tipo empadão. Super versátil!

Enfim, depois disso, fiz furinhos com um garfo, para a massa não criar bolhas e levei para o forno baixo. Demorou mais ou menos 30 minutos para assar, mas isso varia conforme o forno. Para conferir, vale fazer o teste do palito. Quando estiver pronta, tire do forno e deixe esfriar totalmente.

Enquanto assa, vamos ao recheio:

02 - Gordice

Na verdade, eu sempre começo a receita preparando o creme, para ganhar tempo, mas isso é coisa minha mesmo. Você vai precisar de:

– 01 lata de leite condensado;

– ½ litro de leite;

– 01 colher (sopa) manteiga (pode ser margarina, eu usei aquelas manteigas de lata, porque estava mais acessível);

– 02 colheres (sopa) de amido de milho;

– 03 gemas;

– Gotas de baunilha (não tenho a quantidade certa, mas eu coloco no máximo uma colher de sopa, é mais para tirar o cheiro e gosto do ovo).

Ói que difícil: mistura tudo e pronto! Hahahaha É quase isso, eu aconselharia a diluir o amido em uma parte do leite, porém eu mesma me esqueci disso. Então coloquei todos os ingredientes em uma panela e misturei até não ter nada do amido. Aí sim, liguei o fogo (sempre no baixo, melhor evitar que queime) e misturei sem parar até engrossar.

Esse é o creme que você pode rechear sonhos, por exemplo. O segredo dele é não deixar o amido empelotar e mexer o tempo todo. Ele começa bem líquido, você achará que não vai dar certo, mas quando começa a engrossar, é de uma vez. E cuidado, porque esse é o momento em que pode empelotar tudo, ok? Quando ele estiver um creme espesso, pode desligar o fogo e reservar até ficar bem frio.

Enquanto tudo isso esfria, vamos à uma caldinha:

03 - Gordice

– 01 xícara (chá) de suco de laranja;

– 01 colher (sobremesa) de amido de milho;

– Açúcar a gosto (mais ou menos uma colher).

Fiz mais ou menos como o creme. O ponto aqui aparece mais rápido, fica uma geleia mesmo, bem amarelinha.

Aí vamos à montagem. Com a massa fria, coloque o creme (também frio) e espalhe por toda a massa. Dá bastante, então pode levar para as bordas que não vai vazar. Eu vou fazendo isso com uma colher, para ficar mais lisinho.

Acabando essa parte, é hora de cortar as maçãs. Normalmente eu faço com a Fuji, aquela da Monica mesmo e que tem boa validade. Nesse caso, costumo usar de 8 a 10 unidades, conforme o tamanho das fatias. Na maçã verde, como elas eram maiores (iguais às da primeira foto), foram umas 6 certinho. Da última vez que fiz com a vermelha, ficou assim (desculpem a tosquice, era foto do celular).

Fui colocando as fatias deitadas, uma bem ao lado da outra, meio que para formar o desenho de uma flor, começando da parte externa e indo para a interna. Após isso, é só espalhar a geleia e levar à geladeira. Na hora de servir, tire o aro da assadeira, ok? Quanto mais gelada, mais saborosa, então aqui gosto de fazer de manhã e servir após o almoço. Ou fazer à tarde e comer no dia seguinte, sabem?

Se você não gostar de maçã, dá para fazer com morangos (já fiz e dá certo), uva, kiwi, laranja, tangerina/ mexerica/ mimosa, manga, pêssego, abacaxi, frutas vermelhas, amora… Aí é usar a sua imaginação mesmo. E se você deixar a lateral baixinha, no mesmo nível do creme e colocar castanhas na lateral… Voilá! Temos a torta vendida na padaria!

Estou para dizer que minha versão favorita é a de maçã mesmo, talvez pela crocância. E a versão com a verde me surpreendeu, parece que o azedinho da fruta deixa o creme ainda mais doce. Essa eu fiquei até orgulhosa de mim mesma! hahahaha

Gordice de finde – Pasteizinhos doces

16 maio

Oi, gente! Tudo bem?

Meio que correndo, quase não conseguindo, mas cá estou eu com mais uma Gordice de finde! E dessa vez é algo fácil, rápido, gordo e versátil: Pasteizinhos doces!

Se ainda assim não os convenci, vamos à “tortura” de hoje:

01 - Gordice

Para variar, segui a receita de um canal de TV. Minha mãe adora esses programas de culinária e eu acabo assistindo por osmose. Dessa vez, ela viu no Mulheres (e a receita está AQUI), pedindo para eu acompanhar e fazer. Mas na hora eu precisei sair… E não vi nada, então segui exatamente o que está escrito no site.

Por isso mesmo, dessa vez não “adaptei” muita coisa. Só tirei um ingrediente porque não o tinha, porém qualquer hora testarei a receita completinha. Pois bem, vamos aprender esse doce “ultra difícil”. Primeiro, a massa:

  • 3 xícaras (chá) de farinha de trigo;
  • 1 xícara (chá) de açúcar;
  • 1 pitada de sal;
  • 150 g de manteiga (usei a de tablete, dá 1 e 1/2);
  • 3 ovos
  • 2 colheres (sopa) de rum (não coloquei porque não tinha, então nem imagino a função dele no prato);
  • Açúcar de confeiteiro para polvilhar (como também estou sem, vamos no confeito!)

O recheio pode ser feito com algo doce que você tenha em casa, com consistência mais pastosa ou seca. Eu usei Nutella e goiabada cascão, mas dá para colocar brigadeiro, doce de leite, beijinho, doce de leite com coco, doce de abóbora, geleia, frutas em pedaços (já salivei com maçã)… Use a imaginação!

Vamos ao “complicadíssimo” preparo:

Em uma tigela, misture a farinha, o açúcar e o sal (eu peneirei, para evitar grumos e sujeira. Mas eu sou fresca). Aí acrescente a manteiga e faça uma farofa grossa. Aliás, se a manteiga estiver mais derretida, melhor ainda, você ganha tempo. Não adianta, tem que misturar com a mão mesmo, para fazer com que a manteiga amoleça, ok?

Feito isso, coloque os ovos e o rum e misture até a massa ficar homogênea (bote a mão nisso, povo!). Ela ficou meio pegajosa, então eu coloquei um pouquinho de farinha para soltar dos dedos. Aí você cobre a massa com um pano de prato ou plástico e deixe descansar por 30 minutos.

Como não vai fermento na massa, não espere que ela cresça, ok? Esse tempo vai fazer com que ela seque um pouco e fique menos pegajosa. Depois disso, eu dei uma leve sovada, porém nem precisa. Coloque bastante farinha em uma superfície e abra a massa com a ajuda de um rolo. Ela é relativamente elástica, mas quando falta farinha, gruda, então é bom se lembrar disso.

Eu cortei com pires de xícaras de chá, por isso tive 17 pastéis assados. Mas você pode variar o tamanho, o que vai implicar no rendimento, ok? Aí é simples: abriu, cortou, coloque uma colher do recheio (acredite, é mais que suficiente, senão ele não fecha) e feche em formato de meia lua. Como sou exagerada, uni as pontas com um garfo.

Levei ao forno baixo e entre 30 e 40 minutos, tive esse resultado:

02 - Gordice

A parte de cima fica branquinha mesmo, mas a de baixo, dourada. Ah, vale lembrar que a assadeira precisa estar ao menos enfarinhada (eu untei e enfarinhei, peco pelo excesso mesmo). Eu vi que estava pronto pelo teste do palito, como em um bolo. E se você quer colocar açúcar de confeiteiro, granulado, coco ou qualquer coisa do tipo para decorar, faça na hora de levar ao forno. Fui tentar depois e escorregou tudo, então deixei branquinho mesmo:

03 - Gordice

Se eu tivesse deixado um pouquinho mais no forno, o recheio ficaria mais derretido. Mas como tive medo de queimar, tirei com uns 35 minutos. Quente, ele estava assim:

04 - Gordice

(Sim, aqui a gente não usa cafeteira. O café é no filtro de papel, no bule de alumínio!) Amei essa receita, a massa fica levinha, seca, mas com um toque de manteiga no fundo. E olhem que eu não como manteiga! Acho eu que a goiabada deve ter derretido mais, ainda não testei.

Achava que a massa ficaria muito doce, mas acho que até dá para arriscar algo salgado, como frango ou palmito, viu? Vou testar qualquer hora. E antes que vocês briguem comigo, viva a gordice e vamos todos nos empanturrar de pastel doce! Yeeeey!

Comparativo de batons – tons cor de boca – M.A.C e o Boticário

13 maio

Oi, gente! Tudo bem?

Quando comprei o batom Brave, da M.A.C contei AQUI que estava pensando em fazer um post comparando alguns dos batons cor de boca que tenho. A gente acha que é tudo parecido ou até igual, mas eu mesma me surpreendi e vi que os que eu possuo são da mesma família, porém de tonalidades diferentes.

Antes de começar a mostrar, preciso explicar que cor de boca é diferente de nude. No primeiro caso, você realmente vai adicionar cor, mesmo que de leve, por isso eles tendem a seguir a família de rosa e marrom, ou seja, ele dará uma cara de saúde, porém de forma mais natural. No segundo, ele precisa ser exatamente da cor dos seus lábios, o suficiente para apagá-lo e deixar com aquela aparência de manequim, sabem?

Parece confuso, mas não é. Vamos ver na prática o que funciona para mim:

01 - Batom

Para não correr o risco de indicar produtos que estão fora de linha ou são difíceis de serem encontrados, fiz o post só com os batons da M.A.C que tenho, além de um do Boticário da mesma família de cor e que foi lançado há pouco tempo. Ninguém precisa ter esses mesmos, é mais para informar mesmo, ok?

02 - Batom

Aqui estão todos eles, fechados. Me surpreendi que tenho “somente” OITO batons da mesma família. Hahahaha É que realmente gosto do cor de boca e os acho bastante versáteis, dá para usar em reuniões de emprego, ambiente de trabalho, maquiagens leves, outras em que se carrega mais no olho…

03 - Batom

Aqui são todos abertos. Da esquerda para a direita, temos:

M.A.C Sheen Supreme Lipstick, cor Bare Again: esse é um dos meus prediletos! Muito confortável para usar, de fácil aplicação, bastante hidratante e com cor não muito forte. Ou seja, há a cor de um batom da marca e ao mesmo tempo o brilho de um gloss. Eu não vejo muito essa segunda parte, me interessa a textura leve e não pegajosa. Não dura tanto quanto um batom mate, mas não me importo. A cor é um pouco mais puxada para um marrom, algo meio caramelo e totalmente cremosa. Ainda acho que fica bem em mim. Custa R$ 79,00.

– M.A.C Lipstick, cor Fabby: talvez esse seja o único cor de boca perolado que eu tenha. O mostrei no comecinho do blog (AQUI) e talvez seja o que menos uso da marca. O considero um pouquinho mais seco que os outros que tenho, o que se explica pelo acabamento Frosty, que traz cor com acabamento cintilante médio a total.

– M.A.C Lipstick, cor Brave: o último da marca que comprei. Com acabamento Satin, que oferece bastante cor, acabamento semi-opaco, acetinado e suave. A marca diz que ele também condiciona os lábios. Não é o acabamento que mais gosto, porque prefiro algo mais hidratante, mas está longe de ser mate, que evito ao máximo. É bem mais rosado que o Bare Again e mais quente que o Fabby também.

– M.A.C Lipstick, cor Half ‘n Half: meu predileto. AMO ao cubo e tenho a maior dó de usá-lo e acabar logo. Hahahaha. Ele tem acabamento Amplified Crème, que traz brilho discreto, é bastante cremoso e com bastante cor. Entre todos os que  tenho, é o que mais uso e vejo com maior versatilidade. Usei em entrevista de trabalho, depois que consegui o emprego… Talvez ele seja o cor de boca ideal para mim.

M.A.C Lipstick, cor Hug Me: todo mundo adora esse batom! Aí de tanto falarem, comprei. Ainda não estou apaixonada por ele, mas está próximo. Bem confortável nos lábios, porém o acho mais marrom em mim que o rosa que dizem por aí. O legal dele é que ele tem acabamento Lustre, sendo semi-translúcido e aquela aparência de mais molhado. Então ele oferece menos cor e mais hidratação, mas ainda não pode ser comparado a um lip balm ou hidratante labial, por exemplo.

– M.A.C Lipstick, cor Creme Cup: o mais rosado e forte de todos os que tenho. Por ser Cremesheen e feito à base de creme, o brilho dele é menor e a concentração de cor, maior. Por isso o considero mais pigmentado. Já o acho um pouco fora da família de tons de boca, então o uso quando quero colocar um pouco mais de cor na maquiagem.

– M.A.C Lipstick, cor Faux: também lá dos primórdios do blog, é mais sequinho e considero rosa antigo. Também o uso bastante em entrevista de emprego, mas é daqueles que preciso estar bom os lábios hidratados, sabem? Ele é Satin, assim como o Brave.

– Make B. Barroco Tropical, cor Rosa Real: o primeiro “mate” que tenho, que na verdade tem uma textura mais hidratante, mas sem brilho e acabamento aveludado. Complicado explicar, né? Imagine um mate sem ser seco, é por aí. Me lembra um pouco a cor do Brave também.

Sei que é difícil explicar direito em texto, então fiz um swatch tosco para vocês verem que, embora da mesma família de cor, todos são diferentes:

04 - Batom

Lembrando que os batons da M.A.C podem ser comprados AQUI e AQUI. Na Sephora, sempre uso O Cashola, que me retorna parte das compras. Já o Boticário, além das lojas físicas espalhadas em todo o país, tem o e-commerce, que também ajuda muito! Ufa, agora acho que ficou mais fácil de entender, né?